SQS Consultores Associados

Artigos


A TRANSPOSIÇÃO E O AQUECIMENTO GLOBAL

Finalmente a face aterradora do aquecimento global invadiu a grande mídia brasileira. Evidentemente ela não se coloca como parte responsável por incentivar um modelo de desenvolvimento que nos conduziu ao abismo, mas foi obrigada a admitir o óbvio.Ao mesmo tempo o governo anuncia o começo das obras da transposição do rio São Francisco. É o mesmo governo que apóia maciçamente o agronegócio brasileiro, que queima a Amazônia para plantar soja e capim.

Lula não é a liderança para um país chave nos desafios globais que e humanidade hoje enfrenta. Era uma liderança para os anos 80. Sua concepção de desenvolvimento ainda é a de Getúlio, Juscelino - a quem gosta de se comparar - e, muito mais, do regime militar. Não é por acaso que tem chamado Delfin para assessorá-lo. Também na questão da transposição existe um núcleo de militares pensando a obra. O exército é quem começa implantar os canais. Para todos eles, promover o desenvolvimento é fazer grandes obras. É um conceito quantitativo, da velha economia.  Se a humanidade vai colidir com os limites de temperatura, água, solos, etc., para eles não vêm ao caso. É preciso desenvolver.

Poderíamos nos perguntar se Alkimin seria melhor. Claro que não. Além de predador, ele é privatista e não tem a sensibilidade social de Lula. Heloísa não soube politizar o processo eleitoral e não se colocou como alternativa. Portanto, não temos no cenário político ninguém a altura do desafio. Também é assim no resto do mundo. Bush só pensa em pôr seu exército para matar pobres no resto do mundo e grande parcela da sociedade americana só pensa em comer. Os europeus vão tomar uma decisão mais séria para redução de gazes que afetam o efeito estufa.

O resultado desse processo mundial e brasileiro já estamos colhendo na revolta do planeta no território brasileiro. O que significa aumentar a temperatura no semi-árido? Há quem fale que será um lugar inabitável, mas um efeito é imediato, isto é, vai aumentar a evaporação das águas estocadas e a transpiração das plantas. Portanto, vamos perder muito mais água pela evapotranspiração do que já perdemos hoje. E vale lembrar que essa equação é a evaporação de três milímitros por cada milimitro de precipitação. A NASA, ainda na década de 90, já dizia que em sessenta anos o São Francisco seria um rio temporário por conta do assoreamento e da evaporação. Se assim for não teremos S. Francisco nem para transposição, nem para geração de energia, para mais nada.

Mais que destravar as grandes obras, precisaríamos destravar o cérebro de nossas lideranças. Com as lideranças que temos o caos é inevitável.

*Roberto Malvezzi é agente Pastoral da Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Voltar